O peso pela metade

Publicado
Dom, 28/06/2015 - 23:35
Última atualização
1 ano

O antes e depois... passado um ano.

Há um ano atrás Bruno Brandão pesava 146 quilos. E de repente arranjou força e coragem para dar início a uma transformação incrível.

Gallery of Photos

  • O antes e depois... passado um ano.

  • O filho foi um um dos motivos para a tremenda transformação de Bruno

  • Bruno dizia sentir-se como se tivesse 50 anos

Bruno Brandão concluiu os últimos metros da Meia Maratona Figueira da Foz, a 7 de junho, com a cara lavada em lágrimas. Momentos de grande emoção e tudo porque este engenheiro eletrotécnico, de 34 anos de idade, desafiou as probabilidades e no espaço de apenas um ano perdeu uns impressionantes 72 quilos. «A corrida mudou a minha vida» - não hesita em afirmar Bruno Brandão que admite que ninguém acreditava que conseguisse um objetivo que impôs a si mesmo, a partir do momento em que percebeu que não conseguia acompanhar o filho nas brincadeiras normais de uma criança: «O meu filho, que tem agora seis anos de idade, dizia-me que eu me cansava muito e de facto era verdade. Não conseguia correr mais de 10 metros. Tinha na altura 146 quilos e com um metro e sessenta e dois de altura é fácil de imaginar como estava obeso» - diz Bruno, que lembra os desenhos dos filhos na escola: «Desenhavam a figura do pai com uma cabeça pequena e o corpo era uma grande bola. E muitas vezes chamavam-me de gordo. Aquilo começou a mexer comigo e um dia olhei-me ao espelho e disse para mim mesmo que teria de mudar».

 

E assim foi. Procurou um amigo psicólogo que o aconselhou a uma consulta na médica de família. Havia duas alternativas: a colocação da banda gástrica, com o inconveniente da enorme fila de espera e das consequentes operações plásticas para remoção do excedente de pele ou então uma dieta que por si só não era garantia de uma perda de peso como Bruno desejava. «Tinha de haver outra forma e foi então que me voltei para o ginásio e para uma dieta rigorosa que me impus a mim mesmo. Nos primeiros tempos não deu grande resultado, para meu grande desânimo» - recorda Bruno, que se voltou então para os seus antigos colegas do karaté, que entre vários exercícios, introduziram a corrida na sua rotina de treino: «Íamos para o Choupal, em Coimbra e ao princípio eu alternava a caminhada com a corrida. Deram-me muito apoio e aos poucos fui perdendo peso, com ajuda do regime alimentar que eu mesmo elaborei».

 

Ainda hoje a dieta inclui saladas, muitas saladas, carnes brancas, peixe e até as salsichas são de perú: «Foi uma mudança radical porque passei a ir às compras com a preocupação de ver as calorias inscritas nos rótulos. Era uma quase obsessão».

 

Concluir uma meia maratona foi algo de indiscritível. Há uns meses atrás ninguém diria que eu era capaz. Mas eu sempre acreditei que era possível

Mas nem tudo foram rosas, num percurso difícil, com uma forte carga emocional, em que Bruno chegou a chorar com fome: «Não tenho problemas em o admitir. Mas esse e outros sacrifícios faziam parte do meu objetivo de perder peso e de correr uma meia maratona». Todos o desaconselharam. Até mesmo o vizinho de Penela, que foi outrora um atleta experimentado e que no dia da Meia Maratona Figueira da Foz optou por ficar por casa com uma justificação anexa a um receio sincero: «Não quero ver uma tragédia, Bruno» - terá dito o colega de treino, que saltou de satisfação e de alívio quando soube, por telemóvel, que Bruno não só tinha terminado a meia maratona, como o tinha feito em 1:52 horas.

 

Maratona está nos objetivos, mas não só...

 

Bruno Brandão quer terminar uma maratona e treina todos os dias para que esse sonho possa ser uma realidade em breve, o que poderá acontecer já em Novembro, no Porto. «Também há seis meses atrás diziam que eu era louco em querer correr uma meia maratona. E provei que era possível. E porque não uma maratona?» - defende-se, ao mesmo tempo que lembra outro dos objetivos que tem em mente: «Gostava de poder ajudar pessoas a ultrapassarem o problema da obesidade. O meu exemplo é a prova viva que com rigor, disciplina e força de vontade tudo é possível».

 

E o que dizem os amigos e a família desta radical transformação? «Inacreditável é o que dizem». E num instante que durou um ano a vida de Bruno Brandão tornou-se uma inspiração. A prova que sendo possível, não há impossíveis.